29 Novembro

Casos de sarampo aumentam 30% em todo o mundo, diz OMS

Notificação de casos teve alta em 2017 por falta de cobertura vacinal em diversas regiões, segundo relatório. Mais 100 mil pessoas morreram por causa da doença no último ano.

 

Foto da notícia
Vacinação contra o sarampo é importante combate à doença — Foto: Cristine Rochol/PMPA
 
Os casos de sarampo cresceram 30% em todo o mundo a partir de 2016, segundo relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) nesta quinta-feira (29).
 
Em 2017, foram 173.330 mil casos registrados e incidência de 25 casos por milhão. Em 2016, foram registrados 132.328 casos e incidência de 19 casos por milhão.
 
O aumento aconteceu em parte porque mais oito países relataram casos em 2017 (184 de 194) do que em 2016 (176 de 194). Um aumento de 30% em todo o mundo.
 
Além do aumento no número de casos, a doença causou 110 mil mortes em 2017. Ainda de acordo com o relatório, desde 2000, mais de 21 milhões de vidas foram salvas por causa da vacinação contra o sarampo.
 
As Américas, a região do Mediterrâneo Oriental e a Europa tiveram os maiores surtos de casos em 2017, com o Pacífico Ocidental como a única região da OMS onde a incidência de sarampo diminuiu.
 
Região das Américas tem mais de 8 mil casos de sarampo confirmados, diz OMS
 
“O ressurgimento do sarampo é uma séria preocupação, com surtos ampliados ocorrendo em todas as regiões, e particularmente em países que alcançaram ou estavam perto de alcançar a eliminação do sarampo”, disse o Dr. Soumya Swaminathan, Diretor Geral Adjunto para Programas da OMS.
 
“Sem esforços urgentes para aumentar a cobertura de vacinação e identificar populações com níveis inaceitáveis ​​de crianças com ou sem imunização, corremos o risco de perder décadas de progresso na proteção de crianças e comunidades contra essa doença devastadora, mas totalmente evitável”.
 
O sarampo é uma doença grave e altamente contagiosa. Pode causar complicações debilitantes ou fatais, incluindo encefalite (uma infecção que leva ao inchaço do cérebro), diarréia e desidratação severas, pneumonia, infecções de ouvido e perda permanente da visão.
 
Bebês e crianças pequenas com desnutrição e sistema imunológico fraco são particularmente vulneráveis ​​a complicações e morte.
 
A doença é evitável através de duas doses de uma vacina segura e eficaz. Durante vários anos, no entanto, a cobertura global com a primeira dose da vacina contra o sarampo parou em 85%.
 
Isso é muito menor do que os 95% necessários para evitar surtos e deixa muitas pessoas, em muitas comunidades, suscetíveis à doença.
 
A estimativa é que a cobertura vacinal global da segunda dose esteja em 67%.
 
Surto no Brasil
 
Até novembro, o Brasil registrou mais de 10 mil casos de sarampo e 12 mortes pela doenças em 2018.
 
O país enfrenta dois surtos da doença, um no Amazonas e outro em Roraima. Só o Amazonas registrou mais de 9,6 mil casos de sarampo.
 
Os surtos ocorridos no Brasil estão ligados à importação do genótico do vírus (D8) da Venezuela, país vizinho com um alto número de casos desde 2017.
 
O Brasil atingiu a meta geral de vacinação de crianças contra sarampo e poliomelite estabelecida pelo Ministério da Saúde.
 
A meta do governo era vacinar 95% do público-alvo (crianças de 1 a cinco anos).Segundo o balanço final, a cobertura vacinal ficou em 95,4% para a pólio e 95,3% para sarampo, totalizando 10,7 milhões de crianças vacinadas.
 
Todas as vacinas do calendário de adultos estão abaixo da meta de cobertura idealA vacina de sarampo faz parte do calendário de vacinação brasileiro e fica disponível nos postos de saúde durante todo o ano.
 
Para adultos que não sabem sua situação vacinal ou nunca foram vacinados a recomendação é de duas doses para quem tem de 20 a 29 anos e uma dose para 30 a 49.
 
Entenda o que é sarampo, quais os sintomas, como é o tratamento e quem deve se vacinar — Foto: Infografia: Karina Almeida/G1
Fonte: G1